quinta, 17 Ago , 2017
evidencia

PLASTICA DO ABDÔMEN

há 4 meses

Hoje vamos abordar uma das cirurgias mais desejada e procurada pelas mulheres, a abdominoplastia. Também conhecida por plástica do abdômen ou dermolipectomia, é indicada preferencialmente para mulheres que já tiveram seus filhos e pretendem melhor a aparência da região, quando apresenta flacidez de pele, estrias, perda do contorno ou abaulamento.

Através de uma cicatriz na altura da cesárea que se extende até as laterais do abdômen, é retirado o excesso de pele e gordura que causam a flacidez abdominal. Estrias e cicatrizes que estejam abaixo do umbigo são removidas nesse processo. Concomitantemente a isso é realizada a plicatura (amarração) dos músculos abdominais, o que confere maior acinturamento e rigidez a região, inclusive corrigindo o que as pacientes se referem como “estômago alto”.

A cicatriz umbilical é removida junto ao excesso de pele, sendo necessário reconstituir o umbigo. Eventuais hérnias umbilicais são tratadas no processo, e o formato do umbigo pode ser alterado para melhorar a aparência.

A cirurgia deve ser realizada em ambiente hospitalar sob anestesia e com duração média de 3 a 4h. A lipoaspiração é rotineiramente associada para complementar o resultado e melhorar o contorno corporal.

Pacientes que tiveram grande perda de peso, através de dieta e exercícios ou cirurgia de redução do estômago, muitas vezes recorrem a abdominoplastia para tratar o excesso de pele, que pode ocasionar dermatites, assaduras e até infecções recorrentes. Homens inclusive!

Nesses casos é provável que seja necessária realizar a técnica em âncora, para maior remoção de pele. Mas isso fica para outra matéria, assim com a mini-abdominoplastia e outras variações técnicas.

Importante ressaltar que a cirurgia não é indicada como forma de emagrecimento e que apesar de não impossibilitar uma gravidez ela deve ser realizada após constituição da família, pois pode haver perda do resultado alcançado e dificilmente é aconselhável realizar uma segunda abdominoplastia.         


COLUNISTAS