tera, 25 Jun , 2019
evidencia

TEORIAS ECONÔMICAS X ANO ELEITORAL

há 11 meses

Marcados na juventude pelos efeitos desastrosos da Primeira Guerra nas economias da Europa, um e outro se empenharam em estudar os ciclos de crescimento e queda da economia, chegando a conclusões radicalmente diferentes. Hayek, marcado pela experiência em primeira mão da hiperinflação na Alemanha no começo dos anos 20, acreditava que alterar o equilíbrio econômico “natural” resultaria inevitavelmente em inflação galopante, enquanto Keynes afirmava que a miséria e o desemprego em massa, característicos do fim de um ciclo, poderiam ser encurtados com medidas e gastos governamentais. Esse debate se prolongou pelo resto das vidas dos dois e se desdobra até hoje. As ideias de Keynes e Hayek ganharam e perderam popularidade ao sabor das crises, deste a grande depressão (anos 30) aos dias atuais, passando pela Segunda Guerra, pelas estratégias de recuperação do pós-guerra e pelo revigoramento das ideias neoliberais nos anos 80.

Diz Hayek que um estado de liberdade em que todos possam usar o seu conhecimento com vista a seus propósitos, limitados apenas por normas de conduta justa de aplicação universal, tenderá a propiciar-lhes as melhores condições para a consecução de seus objetivos. De acordo com a sua análise epistemológica prefere as regras de conduta justa que surgem de forma espontânea da sociedade ao construtivismo, ligado ao planeamento central, sendo por isso um defensor de um estado bastante limitado, o estado mínimo.

A teoria keynesiana é uma teoria econômica consolidada no século XX. Ideias que propunham a intervenção estatal na vida econômica com o objetivo de conduzir a um regime de pleno emprego. As teorias de John Maynard Keynes tiveram enorme influência na renovação das teorias clássicas e na reformulação da política de livre mercado. Ele propunha uma nova organização político-econômica que defendia o Estado como agente indispensável na economia. Assim, Keynes colocava em cheque as ideias do livre mercado, argumentando que a economia não é autorregulada.

Agora vamos a nossa escolha. Forte abraço Companheiro Dinheiro!


COLUNISTAS