sbado, 23 Mar , 2019
evidencia

A CHEGADA DO VERÃO E O AUMENTO DOS ECTOPARASITAS.

há 1 ano

O controle de pulgas e carrapatos está sempre em pauta. Engana-se quem pensa que esses ectoparasitas limitam-se apenas àqueles que visualizamos na pele e pelos dos cães e gatos, pois apenas 5% desses parasitas, os adultos, ficam aparentes. Os demais 95% ficam no ambiente em suas formas imaturas. 

As pulgas, além de causarem coceira e irritação, podem transmitir um verme chamado Dipylidium caninum aos animais de companhias. Já os carrapatos podem transmitir diversas doenças, como por exemplo, a babesiose e erliquiose. Por isso, o controle é de extrema importância.  

Visando combatê-los de forma eficaz, é necessário aplicar o Controle Integrado, que consiste no tratamento do ambiente e do animal de forma simultânea, com o objetivo de eliminar todas as fases: imaturas e adultas das pulgas e carrapatos. 

O grande inimigo no combate dos ectoparasitas dos cães e gatos é aquele que não vemos, e por isso, consequentemente, muitos são os casos onde há o controle no animal, sem resultados satisfatórios, pois o problema não foi eliminado por completo no ambiente.  

Realmente, este exercício é complexo devido à alta capacidade produtiva e da longevidade das pulgas e carrapatos. O ciclo de vida da pulga é composto por quatro etapas, sendo que as etapas 2, 3 e 4 são invisíveis a olho nu.  

Na 1ª etapa encontramos as pulgas visíveis nos animais representando apenas 5% da população. Elas sugam o sangue e se reproduzem no próprio pet. Mas, após a reprodução são capazes de originar de 400 a 2.000 ovos, que caem da pelagem no ambiente.

 Na 2ª, os ovos que caem no ambiente geralmente se acumulam onde o animal permanece mais tempo, como por exemplo, na caminha, tapete, sofá e nas frestas de piso. Dependendo das condições ambientais, como calor e umidade, de 2 a 12 dias os ovos tornam-se larvas. 

Ainda na 3ª etapa, as larvas permanecem no ambiente e, dependendo das condições ambientais, de 9 a 20 dias tornam-se pupas. O meio em que vivem também interfere na 4ª etapa, pois, dependendo das condições, de 7 a 365 dias as pupas tornam-se pulgas adultas. 

O ciclo de vida dos carrapatos também é composto por quatro etapas. Na 1ª, temos os carrapatos adultos, aqueles visíveis nos animais. Eles sugam o sangue, se reproduzem e as fêmeas fecundadas vão para o ambiente procurar um local para a postura dos ovos, geralmente nas frestas, muros e locais altos.

 Na 2ª etapa, dependendo das condições ambientais, após 20 a 60 dias, os ovos tornam-se larvas. Já na 3ª fase, as larvas procuram um hospedeiro para se alimentarem e, após a alimentação, procuram no ambiente um local para a sua próxima troca de fase. Depois, de 5 a 49 dias, as larvas tornam-se ninfas.  

Na 4ª e última etapa, as ninfas procuram um hospedeiro para se alimentarem e, após a sua alimentação, voltam para o ambiente. De 10 a 16 dias, as ninfas tornam-se adultos e procuram novamente um animal. Os adultos podem ficar em jejum e escondidos no ambiente por até 200 dias, antes de retornarem ao animal. 

Alertar sobre os riscos e doenças que podem ser transmissíveis por pulgas e carrapatos, instruir os tutores sobre os produtos adequados para o controle integrado, e, seguir a frequência de uso correta dos produtos, são medidas importantes para o sucesso no tratamento e controle dos ectoparasitas. 

A prevenção dos ectoparasitas nos cães e gatos é importante para evitarmos a transmissão de doenças e futuras infestações ambientais. Por isso, o uso de produtos indicados no combate e controle de pulgas e carrapatos em cães e gatos deve ser feito com a frequência indicada pelo laboratório e não apenas quando visualizamos os ectoparasitas nos animais.  

 

Fonte: Priscila Brabec é Gerente de Produtos na Unidade de Animais de Companhia da Ceva Saúde Animal. Graduada em Medicina Veterinária pela Universidade Metodista de São Paulo (UMESP) em 2008, com MBA em Marketing pela Fundação Instituto de Administração (FIA/USP) em 2011. 


COLUNISTAS