quarta, 14 Abr , 2021
evidencia

Os 45 anos da Malca Imobiliária

há 5 meses

Quando se pensa em imobiliária em São José do Rio Pardo logo se pensa nela. A Malca se tornou referência no ramo imobiliário em São José do Rio Pardo e neste mês de julho comemora 45 anos de bons serviços e muitas histórias, o que inclui a realização dos sonhos de milhares de rio-pardenses, que, através dela compraram seu primeiro terreno ou conquistaram a casa própria.

Hoje, a Malca, que foi a primeira imobiliária inaugurada na cidade, é a mais completa e estruturada, contando com uma equipe formada por 15 pessoas, sendo 8 corretores, o que a torna a empresa com maior número de credenciados ao CRECI - Conselho Regional de Corretores de Imóveis.Citar que a Malca passaram centenas de Guardas Mirins e demais colaboradores.

A imobiliária orgulha-se em ser uma empresa familiar, onde, além de pai e filhas, demais membros da família como Fábio (casado com Luciana), Wagner (sobrinho do senhor João) e José Carlos (cunhado do senhor João) também são colaboradores. A Malca ainda proporcionou oportunidades de trabalho para centenas de Guardas Mirins e demais pessoas que já trabalharam na empresa.

Além da locação residencial ou comercial, venda residencial ou comercial, loteamentos, fazendas, sítios, chácaras, terrenos, apartamentos e lançamentos imobiliários, a Malca investe em novas tecnologias para garantir a satisfação e segurança de seus clientes antes mesmo de fechar negócio. Entre os novos serviços, destaque para a vistoria simplificada e mais rápida (tablet), visitação agendada e imóveis em 360º, além do aplicativo da Malca.

Ao longo dessas mais de quatro décadas, a Malca conquistou a credibilidade e a confiança de seus clientes e investidores através de sua estrutura administrativa, comercial e operacional e com alguns diferenciais que a tornaram referência, entre eles a realização de seguro de todos os imóveis locados; o Sistema de Aluguel Garantido, que garante a pontualidade nos pagamentos (serviço disponível mediante contratação). A imobiliária monitora, ainda, a efetivação dos pagamentos das taxas de consumo de água e energia dos imóveis locados e a garantia de devolução dos imóveis aos seus proprietários de acordo com a vistoria inicial.

E, mesmo em tempos difíceis como estes que todos estamos vivendo em meio à Pandemia da Covid-19, a Malca não dispensou nenhum colaborador. Se adaptou à nova realidade, reduziu horários, mas manteve seu quadro de funcionários, sempre prezando pela saúde, pela vida de todos.

E a matéria de capa deste mês em Evidência Revista não poderia ser diferente: nossa mídia contará um pouco da trajetória de lutas e conquistas da Malca, sob o olhar do responsável por criá-la, o senhor João Batista Maldonado, além das filhas, Luciana Tempesta Maldonado Costa e Rossana Tempesta Maldonado, que nasceram e cresceram na imobiliária da família e hoje apoiam e auxiliam o pai na administração.

Na entrevista, João contou um pouco sobre sua vida de trabalho, que começou aos 8 anos de idade na Prefeitura ajudando o pai e o irmão, Quinho, que trabalhavam como servidores no Matadouro Municipal, onde a família morava. Ele também destacou o que o motivou a ser corretor de imóveis e, claro, do apoio incondicional da esposa, Rossana Aparecida Tempesta Maldonado em sua vida pessoal e profissional.

COM A CARA E A CORAGEM, CRIA-SE A MALCA

Antes de criar a Malca Imobiliária, João Maldonado tinha dois empregos, sendo um deles na Prefeitura e o outro no antigo Projeto Rondon e Instituto Nacional de Previdência Social, o INPS. “Porém, certo dia, fui dispensado deste trabalho e como o salário da Prefeitura era muito ruim à época comecei a pensar em outras possibilidades para aumentar a renda familiar. Como eu viajava muito a São Paulo, sempre observava outdoors com anúncios de imobiliárias e aquilo me despertou o interesse”, explicou.

Entretanto, João nunca havia trabalhado no ramo imobiliário, mas enxergou nele uma oportunidade e, com a cara e a coragem, iniciou o curso para corretor e se credenciar junto ao CRECI, realizado em São Paulo. “Em São José não havia imobiliária nesta época e eu investi na ideia. E quis fazer tudo certo, estudando, adquirindo conhecimento e, claro, credenciado ao CRECI. Nos anos 70 havia muita gente trabalhando como corretor, mas poucos credenciados. Tenho orgulho em dizer que fui o primeiro a obter o CRECI aqui na cidade”, contou João.

Quando iniciou as atividades imobiliárias, em 13 de julho de 1975, João tinha um sócio, o engenheiro Celso Cálipo. “Celso fazia os projetos de construção e eu cuidava da parte imobiliária. E os negócios foram crescendo. Começamos a protocolar requerimentos, declarações, requerer documentações, inclusive para o Executivo (certidões/habite-se)”, lembrou.

O imóvel, que também se tornou referência para a Malca e onde ela permaneceu por mais de 40 anos, foi o piso inferior da casa do saudoso Lupércio Torres, à praça Barão do Rio Branco, que encontrava-se fechado por mais de 20 anos e, segundo João, ele disse que só alugaria porque era para a imobiliária. “Foi uma vida inteira de trabalho naquele espaço. Celso e eu trabalhamos juntos por seis meses, depois ele optou por fazer carreira sozinho. Inclusive o nome Malca foi uma sugestão da Lúcia Potenza, que trabalhava comigo na Prefeitura, sendo as iniciais de nossos sobrenomes, Mal, de Maldonado e Ca, de Cálipo”, explicou.

Desde o início das atividades na Imobiliária, João dividia o trabalho também na Prefeitura, onde trabalhava por meio período. “Assim foi até eu me aposentar como funcionário público, no final da década de 90. Aí passei a me dedicar somente à imobiliária”.

MAIS DE 20 LOTEAMENTOS E MILHARES DE LOTES E CASAS VENDIDAS

A Malca Imobiliária registra números expressivos ao longo de sua história. São mais de 20 loteamentos, sendo que o primeiro executado por ela, em parceria com a Center, foi o atual Bairro Santa Teresa, além de mais de mil lotes vendidos e da participação direta em 2 mil casas populares. “Ainda me recordo da primeira casa que vendi, na Vila Formosa. Hoje, quem olha para esses números, pode acreditar que foi fácil alcançar tudo isso, mas não foi. A luta foi grande, entretanto, posso dizer que a Malca nunca parou no tempo: sempre investiu em qualificação de sua equipe, estrutura e, claro, buscando e apresentando os melhores negócios imobiliários aos seus clientes”, afirmou João.

João recordou alguns momentos difíceis enfrentados pela empresa, inclusive citando que a imobiliária construiu uma ponte para interligação de bairros. “Uma firma não vive apenas de bons momentos e esse foi um dos mais difíceis. Eu havia prometido essa ponte no momento em que comercializei os lotes. Na aprovação dos Loteamentos Vila Verde e Colinas de São José, foram doados 09 Lotes para a prefeitura municipal, a qual construiria a ponte ligando os bairros Vila Verde e Colinas de São José à cidade, o que não ocorreu. Com a não construção da ponte pela Center e pela prefeitura, que foi divulgada pela imobiliária no ato da venda e a cobrança dos compradores de lotes, a Malca assumiu a responsabilidade e construiu a ponte. Luiz Antônio Ribeiro Nogueira foi o engenheiro responsável nos Loteamentos”, explicou João.

E a decisão de construir a ponte foi tomada a partir de uma conversa que João teve com a esposa. “Ela não se mete muito no meu trabalho, mas quando dá uma opinião é sempre muito sensata. Graças a Deus e a ela a obra deu certo e a ponte construída”.

O empresário também investe bastante em publicidade para divulgar a Malca. Além das mídias, a imobiliária ganhou as redes sociais, possui um site muito bem apresentado e explicativo. “A Malca se tornou uma referência não apenas pelos bons serviços, equipe e estrutura, mas pelas propagandas. Fazemos questão de investir em publicidade e temos um excelente retorno”, observou João.

 

“SEMPRE QUIS QUE ELAS TRABALHASSEM AQUI”

Além de suas grandes paixões, João tem nas duas filhas, Luciana e Rossana, grandes companheiras de trabalho. “Nunca influenciei para que trabalhassem aqui, tanto que cada uma fez faculdade, mas confesso que sempre quis que elas viessem, um dia, trabalhar comigo na Imobiliária”.

Ambas cresceram vendo o pai na Malca e também se interessaram pelos negócios. “Cursei Direito, eu até advoguei por um período, fui instrutora de mergulho, trabalho que ainda me proporciona um grande prazer, mas aqui na imobiliária é diferente. Graças a Deus tivemos a sorte de ter uma empresa e poder trabalhar próximo de nossa família, sem precisar sair de nossa cidade natal. Isso é uma bênção”, disse Luciana, que desde 2009 assumiu a administração dos negócios junto ao pai.

Já Rossana, que também cursou Direito, contou que trabalha há 26 anos na imobiliária e também é proprietária da recém inaugurada RO.MA - Assessoria em Cidadania Italiana para São José e todo o Brasil. “Costumamos dizer que a Malca é nossa irmã mais velha. Aprendi e ainda aprendo muito aqui, principalmente com meu pai”.

A admiração que as duas possuem por João e pela imobiliária impressiona. “Se a Malca é sinônimo de imobiliária respeitada na cidade, nosso pai é de honestidade. É exemplo de caráter para nós e para muitas gerações”, disseram as irmãs, emocionadas.

 

O “JOÃO DA MALCA”

É impossível não associar João à Malca. Tanto que muita gente o conhece assim, como o “João da Malca”. A emoção dele ao contar a história da imobiliária e sua própria história também emocionou a equipe de Evidência Revista.

Como bem lembrou as filhas, ele é uma pessoa de caráter ilibado, que, a altura de seus 72 anos, conquistou muitos amigos e a admiração da sociedade rio-pardense, seja como profissional ou pessoa.

Além da Malca, João orgulha-se em dizer que foi um dos fundadores da Escola de Educação Especial Cáritas, a qual se dedica como voluntário em diversas ações promovidas pela entidade.

“Está na essência dele auxiliar, ajudar o próximo. Ele não gosta que fala, mas o trabalho voluntário que faz é de inspirar qualquer um”, disseram Luciana e Rossana.

Muito ativo, João sempre dá um jeitinho de acompanhar os negócios na imobiliária, uma vez que, pertencendo ao grupo de risco à Covid-19, permanece em casa. “Está muito difícil esses meses, mas, mesmo assim, preciso saber da Malca, orientar, participar, mesmo que à distância. Quando acreditamos no que estamos fazendo temos sempre que nos dedicar a isso, não importa como”, frisou.

Para o futuro, João disse que não pretende ‘se aposentar’ tão cedo da Malca e que neste momento sua maior realização será como vovô, já que Luciana espera a chegada de seu primeiro filho, Heitor. “Acho que cumpri meu papel na imobiliária, embora queira sempre estar presente, acompanhando seu desenvolvimento. Agora quero ‘vovozar’ um pouco. Meu neto, uma bênção em nossas vidas, está chegando. Sinto-me uma pessoa realizada, profissionalmente e pessoalmente falando. Nunca fui uma pessoa materialista. Aprendi a dar valor às pequenas coisas que a vida me proporcionou e proporciona. E que venham os próximos 45 anos da Malca e eu como vovô”, afirmou.

Ao final da entrevista, o senhor João fez um agradecimento especial. “Gostaria de agradecer a Deus, minha família e meus amigos por tudo que me tornei nesta vida, pelo desenvolvimento da Malca, enfim, sou uma pessoa muito grata a cada um deles que me apoiou e me ajudou em tantas situações da minha vida”, concluiu.

 

• Fotos de Capa: Pedro Júlio Photografias
• Textos e Reportagens: Natália Tiezzi Manetta
• Direção, Criação e Produção: Marcelo Trinca
• Criação e Diagramação: Agência Boomerang


COLUNISTAS