sbado, 19 Jan , 2019
evidencia

DEMÊNCIA, AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA E DIAGNÓSTICO PRECOCE

há 1 ano

Quando pensamos em demência, uma das únicas coisas que vem á lembrança é que perdemos a memória. Mas um quadro de demência, vai muito além só de perda de memória. Ela é marcada por uma série de sintomas, principalmente no início. E é ai, que não conseguimos identificar com facilidade no dia-dia e deixamos passar, pois os primeiros sinais podem ser sutis e nem sempre fáceis de reconhecer.

Qualquer alteração que seja diferente do comportamento habitual do paciente pode ser um motivo de preocupação.

Desde dificuldade para compreender uma conversa, ou conteúdos implícitos num diálogo; não se lembrar de palavras que são habituais; quedas e tropeços frequentes e dificuldade para se locomover ou caminhar; comportamentos inapropriados para o contexto social; esquecer para que serve um objeto conhecido, não se lembrar de pessoas antes conhecidas ou objetos; apatia; perda de atenção frequentes; comportamentos ritualísticos como fazer tudo da mesma maneira; dificuldade com o manejo de dinheiro e até dificuldades ao se expressar numa conversa.

Devido aos inúmeros sinais e outros que acometem o paciente precocemente e a contribuição para a identificação destes, é que uma avaliação se faz necessária. A avaliação neuropsicológica no diagnóstico precoce, ajuda a identificar estes sinais logo no início, assim como avaliar as funções neuropsicológicas do paciente, como a memória, a atenção, a linguagem e outros déficits. Essa avaliação é usada para determinar se o caso do paciente é de demência e podem ainda determinar se é um caso grave e quais partes do cérebro foram afetadas, ajudando no diagnóstico médico.

O tratamento adequado e precoce pode parar ou diminuir a evolução da doença se for tratável, a qual a piora seria ainda maior sem o tratamento, no caso, por exemplo, de um declínio cognitivo leve. Também sabe-se que, o tratamento de algumas demências realizados logo no início do processo da doença, se tornam mais eficazes para retardar o processo.

Procure ajuda se você ou alguém próximo a você tem problemas de memória ou outros sintomas que estejam fora do habitual.


COLUNISTAS