quarta, 28 Jun , 2017
evidencia

Esquecimentos são normais?

há 3 meses

Todos já passaram por situações em que se esqueceram de alguma coisa.
Mas quando isso ocorre com frequência é importante ficarmos alertas.

Os esquecimentos podem ter várias causas específicas, mas geralmente quando acometem pessoas mais velhas (acima dos 60 anos), a causa mais comum é o declínio de uma ou várias funções cognitivas que chamamos de Declínio Cognitivo Leve (CCL). Vários quadros podem levar a esse declínio, como exemplo, a depressão, ansiedade, transtorno do sono, sintomas metabólicos, síndromes endócrinas ou até fases iniciais de processo de doença de Alzheimer.

Dentre as funções afetadas, a  mais comum a ser notada alterações, é a perda de memória. Mas como a vida das pessoas não é tão afetada inicialmente com essa perda, pois continuam fazendo as mesmas atividades, não afetando a funcionalidade e utilizando algumas estratégias diferenciadas, não procuram investigar o problema e quando procuram assistência médica, podem já estar muito comprometidas por uma degeneração. Infelizmente temos uma crença de que perder a memória quando envelhecemos é normal, o que na verdade, não o é.

Se a pessoa tem uma queixa consistente de memória, é preciso investigar, pois pode estar sendo acometida por uma doença cerebral ou não. É importante fazer uma avaliação formal da memória e de outras funções cerebrais, como uma avaliação neuropsicológica e se o desempenho objetivo da memória estiver abaixo do esperado, daí vem a importância de se prosseguir com exames de imagem e avaliação médica.

A maioria das pessoas que apresentam pequenas falhas na memória não irá desenvolver demência, mas a maioria daqueles que têm Alzheimer tiveram algum tipo de comprometimento cognitivo prévio.

Ainda não existe nenhum tipo de medicamento para o comprometimento cognitivo leve, mas existem intervenções que podem ajudar a diminuir esse declínio. Uma delas é a reabilitação cognitiva da memória, voltada para a dificuldade específica do paciente e acompanhada por profissionais capacitados para a reabilitação. Também é importante manter uma vida saudável, praticando atividade física e alimentação regrada que ajudam na prevenção.

E lembre-se: Esquecer sempre, não é normal.


COLUNISTAS